Casos de violência contra idosos aumentaram em 2018
CATEGORIA: ASSISTÊNCIA SOCIAL - 18 DE JUNHO 2018

  92
Casos de violência contra idosos aumentaram em 2018

“O modo como os idosos vêm sendo tratados nos últimos anos é preocupante. Os casos de violência contra idosos estão aumentando cada vez mais. E são violências de todos os tipos: física, com uso da força para machucar ou obrigar o idoso a fazer algo que não deseja; a violência psicológica, com agressões verbais e gestuais, que podem provocar a depressão ou fazer com que o idoso se torne agressivo; a financeira, quando há exploração dos bens do idoso sem o seu consentimento; a negligência, quando o idoso fica numa situação em que não é cuidado adequadamente; e o abandono. A violação de direitos contra os idosos acontece de diversas formas e em todas as faixas econômicas. Às vezes as pessoas esquecem que também vão envelhecer e precisar de cuidados”, destaca a secretária de Assistência Social de Paranavaí, Tasiane Cristina de Souza. A declaração foi feita na última sexta-feira, dia 15 de junho, Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa.

 

De janeiro a dezembro de 2017, o CREAS (Centro de Referência Especializado da Assistência Social) atendeu 46 casos de violação de direitos da pessoa idosa em Paranavaí. De janeiro a maio deste ano, este número já é 10% maior: foram 51 casos de todos os tipos de violência contra idosos.

 

O número de agressões (violência física) dobrou: foram 4 casos atendidos pelo CREAS em todo o ano de 2017, e 8 apenas nos cinco primeiros meses deste ano. O maior número de casos ainda é o de negligência e maus tratos. Em 2017 foram 28 atendimentos, enquanto este ano já foram registrados 32 casos.

 

“Na maioria das vezes, a violação de direitos vem de pessoas da própria família ou próximas a eles. Filhos e netos são os primeiros autores de violência contra a pessoa idosa. Isso acontece por causa da proximidade, convivência, a falta de conhecimento sobre o envelhecimento, doenças que acometem os idosos, conflitos familiares, sobrecarga do cuidador informal e a falta de paciência daqueles que estão próximos. Vale destacar também que o abandono em instituições de longa permanência a falta de carinho, a pressão psicológica e o descaso são formas de agressão que muitas vezes passam desapercebidas pela sociedade de uma forma geral. No entanto, todos precisam estar atentos a qualquer sinal de violação de direito”, frisa Tasiane.

 

Segundo a secretária, o aumento no número de denúncias realizados através Disque 100, Conselho Municipal dos Direitos do Idosos de Paranavaí, Ministério Público, CREAS, CRAS e outros órgãos públicos, chamam a atenção para a elaboração de mais políticas públicas voltadas a população idosa. 

 

“O Estatuto do Idoso assegura que é obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária. Não podemos parar. É preciso união no combate a violência contra a pessoa idosa”, enfatiza. 

 

E a população pode ajudar denunciando qualquer caso de violência contra a pessoa idosa. Se houver qualquer suspeita de violação de direitos dos idosos, basta ligar para o número 100. O Disque 100 é um serviço de utilidade pública da Secretaria de Direitos Humanos que repassa o atendimento do caso à autoridade competente. A ligação é gratuita e a identidade de quem faz a denúncia é completamente preservada. 

 

Em Paranavaí, também é possível ligar diretamente para os seguintes números: Conselho Municipal do Idoso - (44) 3902-1132; CREAS - (44) 3902-1017; ou procurar o CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) mais próximo e realizar a denúncia.

 

 



© COPYRIGHT 2017 - CNPJ: 76.977.768/0001-81 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.